Avançar para o conteúdo principal

Citações da crítica à edição holandesa de Caminho Como Uma Casa Em Chamas (Als Een Brandend Huis)

Por cortesia de Maria da Piedade Ferreira, transcrevemos aqui algumas citações de crítica à edição holandesa de Caminho Como Uma Casa Em Chamas, Als Een Brandend Huis. Relembramos que a edição da Ambos Anthos antecedeu a edição em português da Dom Quixote, tendo sido a estreia mundial do livro. Estas citações foram recolhidas e traduzidas por Ana Carvalho, esposa de Harrie Lemens, o tradutor em holandês da obra de António Lobo Antunes.

*

«Como sempre, Lobo Antunes é capaz de delinear qualquer situação através de uma imagem inesperada, por exemplo, o momento da despedida de dois amantes desiludidos (Despedimo-nos num aperto de mão de negociações políticas sem acordo.)

A maior força de Lobo Antunes é ele conseguir arrebatar o leitor com uma intensa e crescente compaixão pelas suas personagens.»

por Ger Leppers
em Trouw

*

«...saiu antes da edição portuguesa, graças à interferência do seu tradutor de sempre, Harrie Lemmens, que uma vez mais soube verter primorosamente para o neerlandês essa prosa tão densa.

Neste livro ele disseca com uma precisão cirúrgica a psique de um país traumatizado.

O que torna “Caminho como uma casa em chamas” num romance inconfundivelmente Lobo Antunes é o seu estilo evocativo, a esvoaçar de uma situação para a outra, mas escrito e traduzido de tal forma que o leitor jamais perde o fio da história. Os diálogos são aqui entrecortados pelos ecos do passado.

“Caminho como uma casa em chamas” lê-se como um jogo de sons, quase como o roteiro de uma produção radiofónica.»

por Ger Groot
em NRC

*

«António Lobo Antunes é um escritor extraordinário. Deixe-se levar pela leitura: António Lobo Antunes é um mestre da narrativa.»

por Maarten Moll
em Parool

*

«António Lobo Antunes escreveu um romance caleidoscópico em que não incomoda o facto de não haver praticamente enredo.

Ler António Lobo Antunes é uma escolha deliberada. Porque numa conjuntura literária em que domina a narrativa (anglosaxónica) plot driven, a sua prosa coloca outras exigências ao leitor. Exigências muito maiores. O grande crítico literário Harold Bloom disse uma vez considerar a literatura como um prazer penoso, e esta definição aplica-se plenamente à obra de ALA.

A abundância de metáforas dos seus primeiros livros deu, entretanto, lugar em romances posteriores ao estilo único que ele foi desenvolvendo com o tempo. Poder-se-ia aqui tirar da gaveta o termo stream of consciousness, mas é muito mais do que isso. Estilo único, sim, porque, na minha opinião, é impossível compará-lo com quem quer que seja. Só talvez com Faulkner, no seu manejar de vários tipos de linguagem, nos farrapos de pensamentos que ora se impõem ora se desvanecem.

Fica-se com uma estranha sensação de sincronia, como se ao lermos nos encontrássemos dentro de uma mente omnisciente de que emanam as oito mentes narradoras.

Li as primeiras páginas lentamente, voltando sempre atrás com receio de perder alguma coisa. Ora isso é o pior que se pode fazer. A prosa de Lobo Antunes exige do leitor uma entrega total. Notei que a leitura passou a fluir melhor a partir do momento em que decidi deixar-me levar pelo ritmo da voz narradora. A leitura transformou-se então numa espécie de transe, numa experiência em que pouco importa se neste romance caleidoscópico há ou não um enredo.

A prosa de Lobo Antunes provoca fortes emoções, sobretudo pela forma como ele consegue evocar imagens que nos ficam gravadas na mente. Em frases que nos tocam profundamente.

Basta de divagações: quem quiser saber do que a literatura é capaz sabe agora qual o caminho a seguir.»

por Jeroen Vullings
em Vrij Nederland

*

«António Lobo Antunes explora as cavernas sombrias da mente humana. Os seus romances são tão complexos como a própria vida.

Nesta polifonia ensurdecedora o passado e o presente entrecruzam-se continuamente culminando numa simultaneidade aparentemente estranha. Este método, embora brilhante, exige o máximo do leitor a quem não resta outra alternativa senão deixar-se levar pelo turbilhão da torrente de pensamentos.

Ler António Lobo Antunes (...) exige a máxima concentração, mas o que se recebe em troca compensa plenamente esse esforço.

Um romance brilhante e vertiginoso.»

por Marijke Arijs
em De Standaard

*

Um agradecimento especial da nossa parte dirigido ao casal Harrie Lemens e Ana Carvalho pela recolha destas citações.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

Bia Couto sobre Da Natureza Dos Deuses

Da natureza humana e das suas misérias. Uma leitura das nossas vidas tão desencantada e triste que impressiona.
A vida dos ricos e a vida dos pobres. Em comum, as mesmas angústias e a falta de alegria. Tudo cru, com as cores que se vêem nos talhos. Ninguém é feliz.
No mundo dos ricos, que tudo podem comprar, incluindo homens e mulheres que os servem submissos ou com a astúcia de lhes sacar o máximo possível, falta-lhes ter paz. Não têm. Tentam ajustar contas com o passado mas nunca as acertam porque não dominam a ganância que sentem nem as memórias que lhes criaram essa dureza implacável.
Nos pobres, a mesma miséria. As mulheres novas, ambiciosas, a desperdiçarem a exuberância e a energia dos vinte anos com velhos com dinheiro, a troco de uns fios, sapatos, brincos, vestidos, jantares e carros que lhes podem ser retirados em qualquer altura, porque eles fazem questão de lhes mostrar quem é que manda. Tudo se passa com a bênção dos pais e restante família, aproveitando também eles alg…

Público: «Cartas da Guerra: um filme que se ergue»

Cartas da Guerra, de Ivo Ferrreira, que tem hoje a antestreia antes de chegar às salas a 1 de Setembro, aventura-se a procurar um corpo, para a personagem António e para si próprio, que esteja num lugar que não aquele a que parecia destinado. Delicado e temerário, cria o seu mundo.

Uma “cena original” luminosa: o realizador Ivo M. Ferreira a entrar em casa de madrugada – como contou -, avançando para o quarto, guiado pela voz da mulher grávida, a actriz Margarida Vila-Nova, que lia à sua barriga uma carta. A futura mãe tinha em mãos as páginas de uma das missivas de D’este viver aqui neste papel descripto: Cartas da Guerra, o volume que em 2005 juntou as cartas escritas pelo alferes médico António Lobo Antunes, de 28 anos e destacado logo após a conclusão do curso de Medicina para uma comissão de serviço em Angola (1971-1973), à mulher grávida que deixara em Lisboa, Maria José.
Mesmo correndo o risco de a “cena” se imobilizar como cliché à força de tanto ser “vista” (mas é belíssima, …