Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2007

Do leitor Artur Carvalho: «Olá Mestre»

Olá Mestre:

Deixando passar a torrente incómoda de toda a situação crítica e muito íntima que deve ter sido a sua saúde nos últimos tempos, venho mais uma vez, porque já o fiz em ocasião anterior, expressar-lhe o meu mais profundo agradecimento (e de toda a minha geração) pelo que nos ensinou, pelo que nos acarinhou e pelo que nos fez crescer com um conforto mínimo que é o das histórias.
Um amigo meu diz que um romance só está concluído quando encontramos a sua voz. E essa pode ser um personagem ou um pensamento. No seu caso, faltava-me dizer-lhe que admiro a sua coragem na tentativa de encontrar o verbo, a voz da literatura, aquele princípio onde tudo começou. O verbo a partir do qual tudo começa a fazer sentido. Descobri isso ao ler Eu Hei-de Amar uma Pedra. Demorei meses a digeri-lo e só lá para a página 300 e tal é que acabei por ouvir a voz do romance. Mais vale tarde que nunca.
Despeço-me não fugindo ao lugar comum mas sincero de lhe desejar rápidas melhoras, que tudo corra bem na …

Ricardo Turnes: opinião sobre Memória de Elefante

Em "Memória de Elefante", primeiro romance de uma obra já extensa, António Lobo Antunes escreve e expõe, com alguns rodeios mas sem papas na língua, muito exactamente aquilo que lhe vai na alma, e nós, leitores, sorvemos o texto como vindo de alguém que se utiliza da escrita com o único propósito de exorcizar fantasmas pessoais; é um livro auto-biográfico e auto-examinatório, em que o personagem central, um psiquiatra à beira dos quarenta anos a braços com uma aguda crise de consciência, dorido consigo próprio e descrente no mundo que o rodeia ("bati no fundo, bati no fundo, bati no fundo"), retornado da guerra do ultramar, divorciado há pouco tempo de uma mulher que ainda ama sofregamente, deambula por uma cidade de Lisboa decadente, sombria, viscosa, e que parece ser a metáfora exterior, reflexo maldito e irrecuperável, da dor que o aflige.
A acção, toda ela murada de nauseabundos contornos citadinos, decorre ao longo de um ou dois dias, durante os quais seguimos …