Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2014

Da apresentação de Não É Meia Noite Quem Quer na Livraria Arquivo de Leiria em Novembro de 2012

Citado do Jornal de Leiria, edição on-line do dia 22.11.2012:

António Lobo Antunes: "Não gosto de livros fáceis como não gosto de mulheres óbvias"

O público presente na Livraria Arquivo fez de entrevistador, numa conversa que publicamos.

António Lobo Antunes (ALA) esteve n[o passado dia 16 de Novembro de 2012] pela quarta vez na Arquivo Livraria, em Leiria, para apresentar o [...] livro Não É Meia Noite Quem Quer. A sala encheu para ouvir um dos nomes cimeiros da literatura mundial e, como é habitual, a intensidade das suas palavras provocaram, por vezes, um ambiente denso,  introspectivo e de reflexão. Desta vez, no entanto,  houve também espaço para momentos de humor mordaz que provocou fortes gargalhadas no público. Sem “papas na língua”, Lobo Antunes falou de tudo sem o menor pudor, sem tabus, provando que, como ele próprio referiu, vive sem gavetas, não escondendo nada. 
Depois de algumas, poucas, palavras sobre o livro, que disse já estar um bocado longe por já ter sido ac…

Silvana de Oliveira: «Relendo as naus portuguesas – ironia e paródia na obra de Lobo Antunes»

I
António Lobo Antunes lançou seus dois primeiros romances, Memória de elefante e Os cus de Judas, simultaneamente em 1979, com poucos meses de intervalo. A eles seguiu-se Conhecimento do Inferno (1980), obra que fecha um primeiro ciclo, que seria o de aprendizagem, segundo o autor. Começando por Explicação dos Pássaros (1981) e encerrando-se com as Naus, de 1988, seu sétimo romance, estabelece-se o ciclo seguinte que, de acordo com Lobo Antunes, é o das epopéias, "no qual o país é a personagem principal" [2] .
Para boa parte da crítica, no entanto, a protagonista recorrente nas obras desse escritor seria mesmo a linguagem, com parágrafos que se concentram em vários planos temporais, de pontuação rarefeita e diálogos sobrepostos. A narração, via de regra, dilui-se em acordes polifônicos, repletos de uma ironia muitas vezes corrosiva, sempre acompanhada de uma certa veia humorística e de uma desconcertante criação de imagens [3] .
Tal densidade estilística estaria associada, par…

Caminho Como Uma Casa Em Chamas (Als Een Brandend Huis)

Citações

Enquanto não renovamos a rubrica "citações", e para quem usa o facebook, convidamos a visitar o álbum de fotografias criado para o tema. Basta clicar na foto abaixo.


Também disponível na nossa página do Google +.