Avançar para o conteúdo principal

Leandro Oliveira: «O gesto de António Lobo Antunes»

Lobo Antunes procura construir sua obra tendo como pilar a proposital e complexa incompletude narrativa

foto de David Clifford

A pedagogia literária clássica dos séculos XIX e XX ensinou o leitor a caminhar pelo enredo do romance, acompanhando o desenvolvimento de personagens, reconhecendo as fronteiras do espaço na acção, percebendo as nuances na configuração de um drama até [à] sua conclusão chave. O legado deixado é o do leitor que erroneamente vê como sinónimos romance e narrativa. Portanto, nesses tempos em que tanto se discute o fim do romance, é um prazer descobrir a obra de António Lobo Antunes, um escritor que tenta através de sua obra fundar uma nova maneira de percepção do texto em prosa. Isso porque ela representa a mais radical experiência de ruptura dessa estrutura clássica do romance, através do caos de um texto que procurar apresentar uma noção de sujeito na pós-modernidade, tendo como insumo à impossibilidade objectiva de instaurar valores e perpetuar tradições, a angústia do mundo interior do indivíduo e a desagregação de toda ordem – inclusive literária. Nessa tentativa de explorar novas formas do texto literário há ainda um esforço de abolir a expectativa de linearidade, herdada pelo leitor, por meio da polifonia e esse é um dos motivos de seus livros serem classificados como difíceis. Para Mallarmé, “nomear um objecto equivale a suprimir os três quartos de prazer da poesia, que é feito de adivinhar pouco a pouco”. Em Lobo Antunes, o recurso de adivinhar pouco a pouco é evidente, os sentidos são encontrados pela combinação das diversas vozes e pelo modo como são apresentadas, por exemplo quando a repetição circular de uma afirmação traz em si o sentido exactamente oposto, como se o enunciador tentasse convencer a si mesmo daquilo que diz.

A poesia também está presente nos livros de Lobo Antunes pelo modo como a linguagem é utilizada pelo escritor. Tal qual a poesia, a obra de Lobo Antunes parece colocar em primeiro plano a linguagem, tornando-a estranha, e sem, contudo, transformá-la em prosa poética, tal como o fazem alguns autores. A organização rítmica permite à linguagem apresentar-se prazerosa ao leitor e a pergunta a respeito do sentido vem somente após o impacto da beleza do texto. É possível afirmar que a maior conquista da obra de Lobo Antunes é sua prosódia numa linguagem livre da função exclusivamente comunicativa. O gesto faz ressignificar as descrições banais e pensamentos fugidios através da montagem de fragmentos, como peças de um brinquedo Lego, que possui apenas alguns encaixes básicos, pequenos fios entrelaçados, surgindo daí a possibilidade das mais criativas conexões.

Com uma subjectividade marcada pela linguagem poética e enredos montados por fragmentos que vão se alongando por meio da circularidade como são apresentados, tornando as imagens mais discerníveis através da sua recorrência e a revelação de novos detalhes nos múltiplos pontos de vista das diversas vozes narrativas que compõem os textos literários, Lobo Antunes procura construir sua obra tendo como pilar a proposital e complexa incompletude narrativa. Por isso, a tentativa directa de interpretação dos textos ficcionais buscando explicitar efectivamente o sentido que querem dizer, tomando como referência a estrutura e o enredo do romance clássico, seria uma actividade improfícua, dizendo muito pouco sobre o texto, uma vez que o próprio autor rejeita interpretações inequívocas de seus livros. “Não existem nas minhas obras sentidos exclusivos nem conclusões definidas: são, somente, símbolos materiais de ilusões fantásticas, a racionalidade truncada que é a nossa. É preciso que se abandonem ao seu aparente desleixo, às suspensões, às longas elipses, ao assombrado vaivém de ondas que, a pouco e pouco, os levarão ao encontro da treva fatal, indispensável ao renascimento e à renovação do espírito” disse o escritor em certa ocasião.

Um texto difícil, com sua polifonia que torna o sentido indefinido, fragmentado, seriam essas as características representativas da literatura desse novo século? Basta pensar nas discussões em torno dos conceitos de modernismo e pós-modernismo. De um lado, uma arte balizada pelo gosto pela transgressão, como retratou Peter Gay, e do outro, como caracteriza Jean-François Lyotard, uma sociedade que perdeu toda motivação ideológica e espiritual para se manter em andamento. A resposta dada pela obra de Lobo Antunes parece ser o meio caminho entre um e outro, dizendo que há mais incompreensão das possibilidades de sentido na multidão de signos que devem ser interpretados e reinterpretados que precisamente falta de esperança. Pragmatismo, iconoclastia, efemeridade de propostas, ideias e acções contraditórias, descentramento e o isolamento do sujeito na obra de Lobo Antunes surgem da incapacidade de narrar do sujeito e não de uma compreensão totalizadora da realidade contemporânea. Desse ponto central é que brilha a liberdade de uma prosa desobrigada a colocar em primeiro plano relações de causa e efeito, revendo a herança de modernidades. Essa é, talvez, a obra que mais radicalmente representa o momento de transição pelo qual passamos, quando vários modelos literários vão sendo abandonados e diversas tentativas de criar outros em substituição vêm surgindo.


Leandro Oliveira
crítico e jornalista cultural
08.02.2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

Bia Couto sobre Da Natureza Dos Deuses

Da natureza humana e das suas misérias. Uma leitura das nossas vidas tão desencantada e triste que impressiona.
A vida dos ricos e a vida dos pobres. Em comum, as mesmas angústias e a falta de alegria. Tudo cru, com as cores que se vêem nos talhos. Ninguém é feliz.
No mundo dos ricos, que tudo podem comprar, incluindo homens e mulheres que os servem submissos ou com a astúcia de lhes sacar o máximo possível, falta-lhes ter paz. Não têm. Tentam ajustar contas com o passado mas nunca as acertam porque não dominam a ganância que sentem nem as memórias que lhes criaram essa dureza implacável.
Nos pobres, a mesma miséria. As mulheres novas, ambiciosas, a desperdiçarem a exuberância e a energia dos vinte anos com velhos com dinheiro, a troco de uns fios, sapatos, brincos, vestidos, jantares e carros que lhes podem ser retirados em qualquer altura, porque eles fazem questão de lhes mostrar quem é que manda. Tudo se passa com a bênção dos pais e restante família, aproveitando também eles alg…

Público: «Cartas da Guerra: um filme que se ergue»

Cartas da Guerra, de Ivo Ferrreira, que tem hoje a antestreia antes de chegar às salas a 1 de Setembro, aventura-se a procurar um corpo, para a personagem António e para si próprio, que esteja num lugar que não aquele a que parecia destinado. Delicado e temerário, cria o seu mundo.

Uma “cena original” luminosa: o realizador Ivo M. Ferreira a entrar em casa de madrugada – como contou -, avançando para o quarto, guiado pela voz da mulher grávida, a actriz Margarida Vila-Nova, que lia à sua barriga uma carta. A futura mãe tinha em mãos as páginas de uma das missivas de D’este viver aqui neste papel descripto: Cartas da Guerra, o volume que em 2005 juntou as cartas escritas pelo alferes médico António Lobo Antunes, de 28 anos e destacado logo após a conclusão do curso de Medicina para uma comissão de serviço em Angola (1971-1973), à mulher grávida que deixara em Lisboa, Maria José.
Mesmo correndo o risco de a “cena” se imobilizar como cliché à força de tanto ser “vista” (mas é belíssima, …