Avançar para o conteúdo principal

A colecção António Lobo Antunes - Ensaio (Texto Editora - LeYa)


Para os mais interessados sobre a complexidade da literatura de António Lobo Antunes, existem muitos livros que estudam e tentam explicar a sua obra, entre os quais os trabalhos de e sob a coordenação da Professora Maria Alzira Seixo, bem como os trabalhos de Ana Paula Arnaut, entre outros.

Desde 2011 que têm sido publicados os volumes de uma colecção orientada pela Professora Maria Alzira Seixo, intitulada António Lobo Antunes - Ensaio, sob a chancela da Texto Editora (que faz parte da LeYa, o mesmo grupo editorial que publica os livros do escritor). São estudos e teses sobre a obra de António Lobo Antunes que muito acrescentam ao que já foi publicado e focam aspectos interessantes da sua escrita que ajudam a compreender a obra antuniana no seu todo. 

Retomamos aqui a divulgação dos 5 volumes já publicados (o último muito recentemente). Sendo de menor tiragem, são livros que podem não estar disponíveis em todas as livrarias, mesmo as de maior superfície; no entanto, através da LeYa Online é sempre possível obter ou encomendar os títulos que abaixo referimos. Com esta informação foi também actualizada a bibliografia passiva de António Lobo Antunes.

Aconselhamos vivamente.

*

António Lobo Antunes: A Arte do Romance, de Filipe Cammaert. 1º volume, edição: 2011, 184 páginas.


Este livro abre a Colecção António Lobo Antunes – Ensaio. Inclui estudos dos especialistas reunidos em Junho de 2009 no Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras de Lisboa para estudarem a arte do romance na obra deste escritor: José Gil, Paula Morão, Agripina Carriço Vieira, Eunice Cabral, Graça Abreu, Ana Paula Arnaut, Inês Cazalas e Catarina Vaz Warrot. Apresenta o state of the art desta obra no final da 1ª década do séc. XXI. Como escreve A. Lobo Antunes? Porque escreve? Como muda ele a literatura? O que dá ao leitor? Como o prende? Subjectividade, romanesco, inquietação, incidências da música, escrita abstracta, ritmo narrativo e modos de compor são dos tópicos aqui mais abordados. Foi organizador do encontro Felipe Cammaert.

A Colecção ALA – Ensaio edita estudos críticos e/ou universitários que se debrucem, total ou parcialmente, sobre a obra antuniana, e privilegia os trabalhos de índole comparatista.

Maria Alzira Seixo



A Mão-de Judas: Representações da Guerra Colonial Em António Lobo Antunes, de Norberto do Vale Cardoso. 2º volume, edição: 2011, 280 páginas

António Lobo Antunes e a guerra colonial em África, tópico fundamental da literatura portuguesa nos últimos 50 anos, continua actual na obra do escritor, como está patente no último romance, Comissão das Lágrimas. E se esta guerra constituísse, além de atroz experiência  humana e existencial, um vector basilar na composição do texto antuniano, imprimindo na expressão literária a perdurabilidade do risco, a ulcerada exposição à perda de si, dos outros, do sentido de tudo? Este livro percorre tais caminhos, a partir da figuração de Judas, que, entre Marte e a Morte, passando por Narciso, e um rapaz chamado António, enfrenta medos, anseios, valores, ideologias, e o risco de traçar no papel o sofrimento de irremediáveis contradições. Livro que prende o leitor, tanto quanto o ensina, constituíu, antes de ser reelaborado para esta publicação,  uma tese de doutoramento na Universidade do Minho, e é seu autor Norberto do Vale Cardoso, professor do Ensino Secundário, actualmente na Escola Profissional de Chaves.

Colecção ALA – Ensaio edita estudos críticos e/ou universitários que se debrucem, total ou parcialmente, sobre a obra antuniana, e privilegia os trabalhos de índole comparatista.

Maria Alzira Seixo


As Mulheres na Ficção de António Lobo Antunes: (In)Vatriantes do Feminino, de Ana Paula Arnaut. 3º volume, edição 2012, 264 páginas.

Como trata a mulher António Lobo Antunes? As figuras femininas são abundantíssimas, na sua obra, marcadas por traços indeléveis de actuação e  personalidade. Mas agem elas com frequência ou são meras personagens comparsas, de procedimento subordinado a dos homens? Têm vincado o carácter ou, ao invés, apresentam compleição débil, não alcançando voz activa na intriga do romance? Ana Paula Arnaut, professora Agregada da Universidade de Coimbra e especialista desta obra, estuda com pormenor e rara argúcia, em todos os romances, as figuras femininas neles existentes, procedendo a finas análises do texto e de comportamentos nele representados, que impressionam pela tendencial exaustão do trabalho e pela justeza das conclusões, que nunca simplificam essa capacidade de sugestão e vaga impressividade que é dos encantos maiores da escrita de António Lobo Antunes. Este é o livro que faltava, para uma melhor compreensão do universo ficcional do criador de Julieta de A Ordem Natural das Coisas, da Isilda de O Esplendor de Portugal e da Maria Clara de Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura, personagens que marcam o romance português de todos os tempos.

Colecção ALA – Ensaio edita estudos críticos e/ou universitários que se debrucem, total ou parcialmente, sobre a obra antuniana, e privilegia os trabalhos de índole comparatista.

Maria Alzira Seixo


Chaves de Escrita e Chaves de Leitura nos Romances de António Lobo Antunes, de Catarina Vaz Warrot. 4º volume, edição: 2013, 256 páginas.

A música, em António Lobo Antunes, é um aspecto de relevo. Na composição dos romances, na caracterização de personagens, no tecido de sons que povoam o universo dos seus textos. Surge em referências e antologias (jazz, música pop, modelos sinfónicos), em formas de composição (o articulado de vozes alternadas, cruzamento de ‘mãos’ da escrita, a construção de repetições, certos efeitos de ressonância) que são familiares ao leitor antuniano. Mas não tem havido estudos que o objectivassem no processo de escrita do autor de Fado Alexandrino. Catarina Vaz Warrot, doutorada em Franla com uma tese que justamente de tal se ocupa, estuda aqui o tema a preceito. Encara-o de uma perspectiva linguística precisa, combinando análise da enunciação com factores da estética musical, e centrando ambos no tema do tempo, característico do autor. Mais: ela mostra como certas dificuldades de acesso à leitura dos seus romances (para isso analisa parte de Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura) se tornam fáceis «chaves» de entendimento do universo desta escrita. Num finíssimo trabalho de análise da enunciação, mas utilizando uma linguagem sempre acessível ao leitor corrente. Imprecindível, para se «entrar» melhor na obra do nosso grande escritor!

Colecção ALA – Ensaio edita estudos críticos e/ou universitários que se debrucem, total ou parcialmente, sobre a obra antuniana, e privilegia os trabalhos de índole comparatista.

Maria Alzira Seixo


António Lobo Antunes: A Desordem Natural do Olhar, de Susana João Carvalho. 5º volume, edição: 2014, 224 páginas.

Sobre a obra de António Lobo Antunes, leitores e crítica referem com frequência as vozes que emergem no texto, nela constituindo uma rede de significação singular. Susana João Carvalho não é dessas vozes que se ocupa, ou antes, encara-as através de um motivo literário diferente, o do olhar. Imagens, retratos, filmes, espectacularidade são neste trabalho campos de pesquisa para uma interpretação original. E o livro que ora se publica, A Desordem Natural do Olhar, é aliás ordenadíssimo, bem planificado e expresso num português de assinalável correcção. Inspira-se o título num dos romances do escritor, mas é de outros que trata: Explicação dos Pássaros, Fado Alexandrino, Auto dos Danados e As Naus, designados pelo autor como ‘o ciclo das epopeias’. Um livro valioso, pois, sobre os efeitos visuais na expressão literária, e sobre a humanidade complexa (de ordem trágica e dramática, tanto quanto cómica e grotesca) do grande escritor que é António Lobo Antunes.

Colecção ALA – Ensaio edita estudos críticos e/ou universitários que se debrucem, total ou parcialmente, sobre a obra antuniana, e privilegia os trabalhos de índole comparatista.

Maria Alzira Seixo

*

Agradecemos a colaboração de Norberto do Vale Cardoso e Maria da Piedade Ferreira para a actualização deste tópico.

Além da LeYa Online, estes livros também poderão ser encontrados nos sites da Bertrand e da Fnac.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

Público: «Cartas da Guerra: um filme que se ergue»

Cartas da Guerra, de Ivo Ferrreira, que tem hoje a antestreia antes de chegar às salas a 1 de Setembro, aventura-se a procurar um corpo, para a personagem António e para si próprio, que esteja num lugar que não aquele a que parecia destinado. Delicado e temerário, cria o seu mundo.

Uma “cena original” luminosa: o realizador Ivo M. Ferreira a entrar em casa de madrugada – como contou -, avançando para o quarto, guiado pela voz da mulher grávida, a actriz Margarida Vila-Nova, que lia à sua barriga uma carta. A futura mãe tinha em mãos as páginas de uma das missivas de D’este viver aqui neste papel descripto: Cartas da Guerra, o volume que em 2005 juntou as cartas escritas pelo alferes médico António Lobo Antunes, de 28 anos e destacado logo após a conclusão do curso de Medicina para uma comissão de serviço em Angola (1971-1973), à mulher grávida que deixara em Lisboa, Maria José.
Mesmo correndo o risco de a “cena” se imobilizar como cliché à força de tanto ser “vista” (mas é belíssima, …

Bia Couto sobre Da Natureza Dos Deuses

Da natureza humana e das suas misérias. Uma leitura das nossas vidas tão desencantada e triste que impressiona.
A vida dos ricos e a vida dos pobres. Em comum, as mesmas angústias e a falta de alegria. Tudo cru, com as cores que se vêem nos talhos. Ninguém é feliz.
No mundo dos ricos, que tudo podem comprar, incluindo homens e mulheres que os servem submissos ou com a astúcia de lhes sacar o máximo possível, falta-lhes ter paz. Não têm. Tentam ajustar contas com o passado mas nunca as acertam porque não dominam a ganância que sentem nem as memórias que lhes criaram essa dureza implacável.
Nos pobres, a mesma miséria. As mulheres novas, ambiciosas, a desperdiçarem a exuberância e a energia dos vinte anos com velhos com dinheiro, a troco de uns fios, sapatos, brincos, vestidos, jantares e carros que lhes podem ser retirados em qualquer altura, porque eles fazem questão de lhes mostrar quem é que manda. Tudo se passa com a bênção dos pais e restante família, aproveitando também eles alg…