Avançar para o conteúdo principal

Passatempo António Lobo Antunes e os leitores

[PASSATEMPO ENCERRADO]


Partindo da ideia inicial da partilha de fotografias dos leitores de e com António Lobo Antunes, vai decorrer durante o mês de Maio e a primeira quinzena de Junho mais um passatempo para a oferta de um exemplar da obra do escritor. O título desta vez escolhido é O Meu Nome É Legião.


Tema: António Lobo Antunes e os leitores
Início: 1 de Maio
Fim: 17 de Junho
Prémio: 1 exemplar de O Meu Nome É Legião
Como participar: enviar para o nosso e-mail alaptla@gmail.com uma foto como leitor de António Lobo Antunes e um texto que aborde a importância da proximidade entre este escritor em particular e os seus leitores.

Termos e condições do passatempo:

  1. O participante tem de enviar uma foto em que se identifique como leitor de António Lobo Antunes, num dos seguintes contextos: a ler um dos livros, a receber um autógrafo do escritor (poderá neste caso ser a foto de um familiar ou amigo) ou uma fotografia da sua autoria sobre o escritor em qualquer evento, ou mesmo particular (desde que não viole a privacidade de ALA). Não serão válidas fotos alheias recolhidas na Internet.
  2. A foto (ou fotos, caso entender) deve vir acompanhada por um texto da autoria do participante onde aborde a importância, do seu ponto de vista, da proximidade entre o escritor António Lobo Antunes e os seus leitores.
  3. A foto não tem limite de tamanho, mas o texto não deverá ultrapassar os 1000 caracteres. Devem ser dois ficheiros separados  - foto em formato JPG e o texto em DOC Word ou similar.
  4. Só os textos serão avaliados para o apuramento do vencedor do prémio, pelo que a qualidade ou quantidade de fotos não irá influenciar na escolha.
  5. O participante terá desta vez apenas que referir os seus primeiro e último nomes e localidade, não sendo necessário, na fase de apuramento, quaisquer outros dados pessoais.
  6. O participante deverá deixar claramente expressa no e-mail a sua autorização para a publicação da(s) foto(s) e do texto em todos os espaços de António Lobo Antunes na web.
  7. À medida que formos recebendo as participações, os textos e as fotos serão publicados, logo que possível, neste espaço (apenas com uma foto).
  8. O texto escolhido será o mais original e melhor fundamentado quanto ao tema.
  9. O vencedor do passatempo será contactado pelo e-mail por onde remeteu a participação e terá 24 horas para nos fornecer o endereço postal para a entrega do livro e telefone de contacto. Passadas essas 24 horas perderá direito ao prémio que será passado ao autor do texto seguinte escolhido.
  10. Após a confirmação do vencedor, o seu texto e foto(s) serão reeditados neste espaço



P A R T I C I P E   !

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

«Até que as pedras se tornem mais leves que a água»

O meu trabalho é escrever até que as pedras se tornem mais leves que a água. Não são romances o que faço, não conto histórias, não pretendo entreter, nem ser divertido, nem ser interessante: só quero que as pedras se tornem mais leves que a água. Em pequeno, à noite, no verão, de luz apagada, ouvia o mar na cama: a mesma onda sempre, ainda hoje a mesma onda a trazer a praia e a levar a praia e, ao levar a praia, eu suspenso do nada sem tocar nos lençóis. A cómoda do quarto estalava de vez em quando, perto do vidro da janela um pinheiro sem fim. Durante o dia tornava-se outra árvore mas conhecia melhor a do escuro, que me interrogava, interrogava
– Tu
até a primeira nuvem cor de laranja do nascimento do dia lhe selar os lábios. Nenhum melro ainda, nem um passo lá fora, o mundo desabitado de gente, o primeiro cão daqui a nada, rente ao muro, a tossir, com um fio de saliva pendurado do queixo. Um desses pobres cães que comem restos de bichos mortos, coçam uma orelha com a pata, vão-se em…

Bia Couto sobre Da Natureza Dos Deuses

Da natureza humana e das suas misérias. Uma leitura das nossas vidas tão desencantada e triste que impressiona.
A vida dos ricos e a vida dos pobres. Em comum, as mesmas angústias e a falta de alegria. Tudo cru, com as cores que se vêem nos talhos. Ninguém é feliz.
No mundo dos ricos, que tudo podem comprar, incluindo homens e mulheres que os servem submissos ou com a astúcia de lhes sacar o máximo possível, falta-lhes ter paz. Não têm. Tentam ajustar contas com o passado mas nunca as acertam porque não dominam a ganância que sentem nem as memórias que lhes criaram essa dureza implacável.
Nos pobres, a mesma miséria. As mulheres novas, ambiciosas, a desperdiçarem a exuberância e a energia dos vinte anos com velhos com dinheiro, a troco de uns fios, sapatos, brincos, vestidos, jantares e carros que lhes podem ser retirados em qualquer altura, porque eles fazem questão de lhes mostrar quem é que manda. Tudo se passa com a bênção dos pais e restante família, aproveitando também eles alg…