Avançar para o conteúdo principal

i online: António Lobo Antunes "surpreendido" e "contente" com homenagem em 2011 em Paris

O escritor António Lobo Antunes afirmou-se “surpreendido” e "contente" com a homenagem de que será alvo durante o primeiro semestre do próximo ano no MC93, um complexo cultural no norte de Paris.
“Isto tudo é muito surpreendente, e claro que me dá prazer. Já não salto nem pulo com as coisas. É um programa majestoso. A única coisa que me interessa é escrever e criar um mundo”, afirmou.
O escritor revelou à Lusa que começou a 02 de Março a escrever um novo romance - “a única coisa que sei fazer”.
Lobo Antunes falava durante a conferência de imprensa que hoje decorreu em Lisboa para a apresentação da iniciativa, cujo programa oficial que integra 50 espectáculos será divulgado em Outubro.
Hoje ficou a saber-se que durante o primeiro semestre de 2011, nas três salas do MC93 acontecerão leituras, conferências, ateliers, instalações e espectáculos que contarão com a participação de encenadores e atores consagrados como Georges Lavaudant, Toni Servillo ou os portugueses Maria de Medeiros e Luís Miguel Cintra.
Os 50 espectáculos e outros eventos previstos “debruçar-se-ão sobre as 11 mil páginas de Lobo Antunes traduzidas em francês”, disse o diretor do MC93, Patrick Sommier.
A editora francesa de Lobo Antunes, Dominique Bourgois, explicou que a ideia “juntou muitos outros nomes franceses, portugueses, e de outros países europeus, muitas vezes espontaneamente”.
Lobo Antunes referiu “a excepcionalidade” de todos os participantes e contou que “muitos deles comunicavam entre si enviando por SMS frases” de romances seus.
Patrick Sommier afirmou que “os leitores de Lobo Antunes constituem uma espécie de sociedade secreta”.
Sommier afirmou que esta “iniciativa inédita” se enquadra na ideia de que “o teatro necessita da literatura”, tendo sido realizadas outras idênticas, não de tão grande envergadura, e com escritores já desaparecidos.
A editora portuguesa do escritor, Maria da Piedade Ferreira, das Publicações D. Quixote, salientou que esta é a primeira homenagem a um escritor vivo, e referiu que "são constante e cada vez mais os convites para participações" do escritor em diversos eventos.
"Há um cada vez maior interesse em conhecer Lobo Antunes", rematou. “Não a um escritor em língua portuguesa, mas a qualquer escritor vivo”, sublinhou.
Falando à Lusa, Lobo Antunes salientou "a magnitude do evento", afirmando que Portugal "devia apostar mais na cultura, que é o que nos identifica".
Visivelmente satisfeito pela iniciativa, Lobo Antunes não deixou de reafirmar à Lusa que o seu interesse maior continua a ser a escrita.
"Cada vez mais relativizo prémios e honrarias, o que me interessa é escrever e criar um mundo. Não tiro disto vaidade nem orgulho”, afirmou.
Lobo Antunes conta deslocar-se na próxima primavera a Paris para o lançamento da tradução francesa de “Que cavalos são aqueles que fazem sombra no mar” pelas Éditions Christian Bourgois, pela qual tem publicados 24 títulos.
A ida a Paris é uma das quatro saídas do país que o escritor tem programadas.
À Lusa o escritor referiu “o orgulho que a comunidade portuguesa sente com este tipo de iniciativas” e que teve hipótese de testemunhar quando foi um dos homenageados no Festival de Salzburgo, em 2005.
A iniciativa no MC93 em Bobigny (norte de Paris) tem o seu começo previsto a 17 de janeiro próximo.

citado de i on line
06.07.2010

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

«Até que as pedras se tornem mais leves que a água»

O meu trabalho é escrever até que as pedras se tornem mais leves que a água. Não são romances o que faço, não conto histórias, não pretendo entreter, nem ser divertido, nem ser interessante: só quero que as pedras se tornem mais leves que a água. Em pequeno, à noite, no verão, de luz apagada, ouvia o mar na cama: a mesma onda sempre, ainda hoje a mesma onda a trazer a praia e a levar a praia e, ao levar a praia, eu suspenso do nada sem tocar nos lençóis. A cómoda do quarto estalava de vez em quando, perto do vidro da janela um pinheiro sem fim. Durante o dia tornava-se outra árvore mas conhecia melhor a do escuro, que me interrogava, interrogava
– Tu
até a primeira nuvem cor de laranja do nascimento do dia lhe selar os lábios. Nenhum melro ainda, nem um passo lá fora, o mundo desabitado de gente, o primeiro cão daqui a nada, rente ao muro, a tossir, com um fio de saliva pendurado do queixo. Um desses pobres cães que comem restos de bichos mortos, coçam uma orelha com a pata, vão-se em…

Bia Couto sobre Da Natureza Dos Deuses

Da natureza humana e das suas misérias. Uma leitura das nossas vidas tão desencantada e triste que impressiona.
A vida dos ricos e a vida dos pobres. Em comum, as mesmas angústias e a falta de alegria. Tudo cru, com as cores que se vêem nos talhos. Ninguém é feliz.
No mundo dos ricos, que tudo podem comprar, incluindo homens e mulheres que os servem submissos ou com a astúcia de lhes sacar o máximo possível, falta-lhes ter paz. Não têm. Tentam ajustar contas com o passado mas nunca as acertam porque não dominam a ganância que sentem nem as memórias que lhes criaram essa dureza implacável.
Nos pobres, a mesma miséria. As mulheres novas, ambiciosas, a desperdiçarem a exuberância e a energia dos vinte anos com velhos com dinheiro, a troco de uns fios, sapatos, brincos, vestidos, jantares e carros que lhes podem ser retirados em qualquer altura, porque eles fazem questão de lhes mostrar quem é que manda. Tudo se passa com a bênção dos pais e restante família, aproveitando também eles alg…