Avançar para o conteúdo principal

Gisela Alina Pena disserta sobre Segundo Livro de Crónicas


Receita para me lerem: o Segundo Livro de Crónicas de Lobo Antunes

A produção literária de Lobo Antunes parece demarcar-se do conceito clássico de narração, para convocar uma “aparente” desconstrução genealógica, em relação ao cânone literário. Uma tendência para a reconversão dos géneros literários, que pode ser o reflexo de uma contingência histórico-cultural e ideológica, possibilitada pelo Portugal do século XX, o Portugal contemporâneo de Lobo Antunes, o Portugal pós-revolucionário, abatido por um profundíssimo mal-estar social e civilizacional e, por isso, redimensionado pelo olhar subversivo do escritor, convocando, desde 1979, a aflição de um mundo sem sentido, de fronteiras físicas e mentais desumanizadas.

A perplexidade instaurada por esse olhar passa, sobretudo, pela fuga, na cena literária, ao constrangimento da censura pidesca e pela inauguração de um mundo de liberdade, traduzido com palavras em liberdade. Os códigos da vida social e a sua elaboração pela ficção de Lobo Antunes sugerem uma escrita que parece estar longe de ser um produto ligeiro, comparativamente ao romance, por responder a imperativos de sobrevivência “alimentar”, enunciativos e pragmáticos: o curto alcance do texto, limitado na sua extensão, a consciência das expectativas de um público de jornal e a sua periodicidade quinzenal. Adivinha-se a irrisão do cronista, sentado no seu lugar de cúmplice disfarçado, face a uma concepção ingénua, menor e lateral da sua inserção cronística. É na crónica, pela sua brevidade, concisão e fluidez temática, suportada, no entanto, por uma estrutura fortemente elaborada e pensada, o lugar onde questiona o que de mais profundo conforma a condição humana e esclarece o que é a sua arte literária.

A experiência da crónica, na escrita de Lobo Antunes, apesar de recente, adivinha-se ser um marco importante no percurso ficcional traçado pelo autor. É possível encontrar três grandes momentos na sua obra literária enunciados pelo próprio em 1994, numa entrevista a Rodrigues da Silva: “Os livros que escrevi agrupam-se em três ciclos. Um primeiro de aprendizagem, com Memórias de ElefanteOs Cus de Judas e Conhecimento do Inferno; um segundo, o das epopeias, com Explicações dos PássarosFado AlexandrinoAuto dos Danados e As Naus, em que o país é a personagem principal; o terceiro, Tratados das Paixões da AlmaA Ordem Natural das Coisas e A Morte de Carlos Gardel, uma mistura dos dois ciclos anteriores, e a que eu chamaria de a “Trilogia de Benfica”.

A crónica assume-se como um universo de expressão narrativa, com uma geografia e uma latitude reduzidas, mas tensamente alinhavada e, por isso, acolhida no lugar de género, porque a logística subjectiva e discursiva prepara, ensaia e prolonga a ficção. Lobo Antunes escreve o projecto da dinâmica do fragmento. O fragmento parece ser “a categoria literária”.

As crónicas instauram o poético claro-escuro da vida, o relato que vira a alma do avesso e faz tremer por dentro pelo poder da memória, obrigando-nos a percorrer os recônditos espaços do passado e da intimidade, numa busca pela restauração de uma tranquilidade e de uma identidade perseguidas. Com ternura e amargura, atravessamos o mundo de pequenos heróis e de episódios de vivência pessoal e infantil. Memórias despoletadas pela nostalgia de um passado perdido, motivações, fragmentos que desencadeiam imagens irremediavelmente penduradas no tempo e em nós também. Ouve-se uma Angola feliz, na viagem introspectiva que convoca para o seu discurso, e os seus espaços e as suas pessoas e os seus lugares, mas, sobretudo, a dor da perda dos outros e de si. Às narrativas empresta o tom de desabafo lírico, decorrente da sua perturbação emotiva, da sua recordação pessoal e do registo subjectivo que percorre transversalmente os textos.

“Proíbo que me tirem radiografias para que as árvores de África não apareçam a tremer na película”, (Antunes, 2002: 217). Procedimentos discursivos e temáticos recorrentes percorrem as suas crónicas: a expressão memorial de um lugar tensamente sentido, dir-se-ia Angola, elemento temático que contamina a memória do narrador; o eco de uma gargalhada feliz da criança ausente, cuja vibração provoca batimentos de percussão ensurdecedora no narrador que a escuta, instalado no lugar de adulto onde agora se encontra, revendo o outro que foi no seu espaço de crescimento, “No nosso sangue existem mais ausências do que glóbulos. E uma análise à velocidade de sedimentação mostrará tudo em suspenso.”, (Antunes, 2002: 217); a expressão da subjectividade do narrador no discurso de memória e auto – biográfico, como a memória invocada pelo universo da família, da casa, da baixa de Benfica, da profissão de médico, da condição de escritor, da experiência militar, da relação com as filhas, das pessoas, mas igualmente da dor da perda dos outros e de si. Tudo atravessado pela aguda frustração de uma nostalgia pelo tempo passado e perdido, pelas pessoas que insistem em não ficar, pela vida que ensina tarde demais.

“As pessoas de quem gostámos e partiram amputam-nos cruelmente de partes vivas nossas, e a sua falta obriga-nos a coxear por dentro.”, (Antunes, 2002: 217). Uma imagem belíssima, carregada de lirismo confessional, que veicula a angústia profunda e aguda da memória do outro que dolorosamente perdeu. Dele, criança. Da infância, de um tempo em que a existência faz sentido, de um tempo de ordem, de inocência e de paz: “Fomos tão poucos dantes!”, (Antunes, 2002: 218). À deriva, num presente asfixiante, tem sede de inocência e nostalgia do universo familiar protegido, até porque a consciência dolorosa da perda ainda não se configurava. Só os outros morriam e “eles” pareciam eternos: “Esqueceste-te das estátuas com o nome das estações, do roseiral? Das pestanas transparentes dos porcos? Do mês de Junho em que tudo era verde, nítido, claro? De trazeres pilhas de livros para o jardim? De como te chamavas nesse tempo? Que António eras tu? Dos versinhos que escrevias? De ires ser escritor? Tão fácil ser escritor não é verdade? Tão fácil respirar.” (Antunes, 2002: 218). Mais difícil é experimentar e suportar a incomensurabilidade do tempo, da morte que não se compreende, porque parece não se aceitar, de pedaços de memória que ficam suspensos, cristalizando o eixo da vida, prolongando o sofrimento que ela causa, adensando o impacto emotivo nele próprio e no leitor que toma conhecimento dela por esse meio.

O narrador e a maioria das personagens das crónicas desfilam num mundo desumanizado, numa sociedade e numa época claramente marcadas pelos sentimentos empedernidos que dificultam e limitam os relacionamentos, mergulhados que estão num autismo atroador e de frustração aguda: os pequenos heróis, a memória do pai, da mãe e dos avós, das figuras míticas que povoam o espaço interior do narrador, Angola, as marcas sociais do universo da família, da casa e do bairro de Benfica, a criança que foi outro e a memória nostálgica desse fragmento.

Na crónicas, convoca a introspecção e obriga ao confronto com situações, pessoas, lugares, sentidos e emoções, de tal forma próximos e familiares, que nunca questionados por nós, na maior parte dos casos. Respiramo-los inconscientemente e, de súbito, dá-se a revelação. Por isso, projectamos, no reflexo das “páginas-espelho” das suas crónicas, sonhos e catástrofes, desejos e recordações, o pulso que Lobo Antunes nos toma para sentir o seu ritmo.

Regressamos da sua leitura já não os mesmos. Anestesiados e endurecidos por uma sociedade que nos consome e desgasta, as crónicas interrogam-nos já não sobre a vivência do narrador, mas sobre as nossas. O “perigo” que a sua leitura pode constituir é o de vermos e ouvirmos aquilo que nervosamente procuramos silenciar, porque dói. Somos nós mesmos que ali estamos redimensionados. Será que procuramos essa verdade? Certamente.

“A verdadeira aventura que proponho é aquela em que o narrador e o leitor fazem em conjunto ao negrume do inconsciente, à raiz da natureza humana”. (Antunes, 2002: 109). O leitor actualiza o acto da leitura a partir do momento em que aceita a “chave” do texto e acompanha o narrador no ímpeto do dizer a memória. O leitor torna-se leitor de si e o exercício da memória, a literatura.

Nas crónicas, onde ensaia a metáfora das “páginas – espelho”, denuncia as ligações complexas que o indivíduo instaura no seu universo, problematiza a profunda dificuldade de apreensão e vivência do real e da sua conversão em instituição literária. O esforço do leitor em juntar pedaços de memória implica que, ao participar no desenvolvimento da narração da memória, se constitua, também, como parte integrante da ficção e reconheça, ao mesmo tempo, aquilo que em si existe de profundamente humano e paradoxal, fazendo-o interrogar sobre aquilo que existe de tosco no seu quotidiano e acenando à transfiguração plástica, através do bisturi que a sua “página-espelho”opera.

As crónicas de Lobo Antunes, citando Carlos Reis, colocam-se naquele lugar de onde é possível ver, “diante dos nossos olhos, às vezes tão cegos para a evidência das coisas, fluir esse mundo feito das experiências do escritor e também das nossas vidas, mundo que transporta no seu curso e na História colectiva, de que mal nos apercebemos, por dela estarmos tão perto.” Desse lugar selecto, de onde se vê “um mundo matizado pela ternura de um olhar dividido entre a lúcida consciência de si e a nostalgia de um tempo de aniversários familiares em que era possível, diz Lobo Antunes, ser indecentemente feliz.”
  
BIBLIOGRAFIA:
ANTUNES, António Lobo. (2002), Segundo Livro de Crónicas, Lisboa, Publicações Dom Quixote.
CABRAL, Eunice, JORGE, Carlos e ZURBACH, Christine, (2003), A Escrita e o Mundo em António Lobo Antunes,Actas do Colóquio Internacional António Lobo Antunes da Universidade de Évora, Évora, Publicações Dom Quixote.
REIS, Carlos, (1995), O Conhecimento da Literatura, Introdução aos Estudos Literários, Coimbra, Almedina.


por Gisela Alina Pena
não datado

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

«Até que as pedras se tornem mais leves que a água»

O meu trabalho é escrever até que as pedras se tornem mais leves que a água. Não são romances o que faço, não conto histórias, não pretendo entreter, nem ser divertido, nem ser interessante: só quero que as pedras se tornem mais leves que a água. Em pequeno, à noite, no verão, de luz apagada, ouvia o mar na cama: a mesma onda sempre, ainda hoje a mesma onda a trazer a praia e a levar a praia e, ao levar a praia, eu suspenso do nada sem tocar nos lençóis. A cómoda do quarto estalava de vez em quando, perto do vidro da janela um pinheiro sem fim. Durante o dia tornava-se outra árvore mas conhecia melhor a do escuro, que me interrogava, interrogava
– Tu
até a primeira nuvem cor de laranja do nascimento do dia lhe selar os lábios. Nenhum melro ainda, nem um passo lá fora, o mundo desabitado de gente, o primeiro cão daqui a nada, rente ao muro, a tossir, com um fio de saliva pendurado do queixo. Um desses pobres cães que comem restos de bichos mortos, coçam uma orelha com a pata, vão-se em…

A opinião de um leitor sobre D'Este Viver Aqui Neste Papel Descripto (Cartas da Guerra)

António Lobo Antunes é, para mim, o maior e melhor autor português contemporâneo; tenho praticamente todos o livros que ele escreveu, já os li quase todos e interesso-me por tudo o que tenha a ver com ele, sua obra e vida. Naturalmente, quando houve toda esta “agitação” em torno do filme realizado pelo Ivo Ferreira baseado neste livro, fiquei curioso e com uma grande vontade de o ver, mas antes de o ver gostava de ler esse famoso livro que serviu de base ao filme. Por sorte possuo o livro que me tinha sido oferecido há tempos mas ainda não o tinha lido. A publicação deste livro é curiosa: apesar das cartas terem sido escritas por António Lobo Antunes à sua primeira esposa Maria José, foram as suas filhas (Maria José e Joana Lobo Antunes) quem as publicaram após a morte da sua mãe, a pedido desta.
António Lobo Antunes, em Janeiro de 1971, com 28 anos de idade, formado em medicina há pouco mais de um ano, casado há menos de seis meses e com a mulher grávida, segue para Angola como alfe…