Avançar para o conteúdo principal

Karlo Mongaya about The Splendor of Portugal

Dalkey Archive Press edition, 2011
The Splendor of Portugal (and the Colonization of Angola)

António Lobo Antunes’ Splendor of Portugal is a splendid novel dealing with the ugliness of the Portuguese colonial enterprise in Angola. This is the story of a family of settler colonialists that used to own a slave plantation in Angola but has fallen from their former glory in the wake of the Angolan War of Independence.

The matriarch, left in Angola, lives in destitution with the one hope that her children will come back for her. Her children, now adults living wasted lives in Portugal, have all but shed any semblance of humanity, tormented by nightmarish details of their former life in Angola.

A searing and anguished look into this real ‘heart of darkness’ (as opposed to Joseph Conrad’s Orientalist imagining of Africa), Splendor of Portugal is an indictment of imperialism and how it super-exploits the people of the peripheries to sustain prosperity of the mother country.

It graphically portrays the way a political and economic order and the dominant social relations it creates dehumanizes the ruled as it makes monsters of the rulers. It is an awe-inspiring portrait of oppression and exploitation at all levels through the eyes of the now disgraced former masters.

Told through streams of consciousness and fragments of memories that poetically jumps back and forth through time, the novel’s form mirrors the falling apart of their personal lives, their once wealthy family, along with the colonial society they were accustomed to.

At once dark, ironic, and poetic, the novel gives much-needed insights into the extremely class conscious and racialized psychology of the brutal and hedonistic colonial elites. Splendor of Portugal is a must-read.


by Karlo Mongaya
18.11.2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crónica «Nós» com reflexão sobre a sua leitura por Olga Fonseca

Nós Não precisávamos de falar. Como ele dizia
– Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
– Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
– Para onde queres ir quando morreres?
respondi
– Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
– Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
– Tu também.
Novo silêncio.
– Eu quero ser cremado e que ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
– Vou morrer primeiro que tu. Vou morrer agora.
Mais silêncio. Eu
– Ganhei-te outra vez.
ele
– É.
Ele
Ganhamos sempre os dois.
Eu
– Porque é que a gente gosta tanto um do outro?
Ele silêncio antes de
– Se me voltas a falar de amo…

«Até que as pedras se tornem mais leves que a água»

O meu trabalho é escrever até que as pedras se tornem mais leves que a água. Não são romances o que faço, não conto histórias, não pretendo entreter, nem ser divertido, nem ser interessante: só quero que as pedras se tornem mais leves que a água. Em pequeno, à noite, no verão, de luz apagada, ouvia o mar na cama: a mesma onda sempre, ainda hoje a mesma onda a trazer a praia e a levar a praia e, ao levar a praia, eu suspenso do nada sem tocar nos lençóis. A cómoda do quarto estalava de vez em quando, perto do vidro da janela um pinheiro sem fim. Durante o dia tornava-se outra árvore mas conhecia melhor a do escuro, que me interrogava, interrogava
– Tu
até a primeira nuvem cor de laranja do nascimento do dia lhe selar os lábios. Nenhum melro ainda, nem um passo lá fora, o mundo desabitado de gente, o primeiro cão daqui a nada, rente ao muro, a tossir, com um fio de saliva pendurado do queixo. Um desses pobres cães que comem restos de bichos mortos, coçam uma orelha com a pata, vão-se em…

Bia Couto sobre Da Natureza Dos Deuses

Da natureza humana e das suas misérias. Uma leitura das nossas vidas tão desencantada e triste que impressiona.
A vida dos ricos e a vida dos pobres. Em comum, as mesmas angústias e a falta de alegria. Tudo cru, com as cores que se vêem nos talhos. Ninguém é feliz.
No mundo dos ricos, que tudo podem comprar, incluindo homens e mulheres que os servem submissos ou com a astúcia de lhes sacar o máximo possível, falta-lhes ter paz. Não têm. Tentam ajustar contas com o passado mas nunca as acertam porque não dominam a ganância que sentem nem as memórias que lhes criaram essa dureza implacável.
Nos pobres, a mesma miséria. As mulheres novas, ambiciosas, a desperdiçarem a exuberância e a energia dos vinte anos com velhos com dinheiro, a troco de uns fios, sapatos, brincos, vestidos, jantares e carros que lhes podem ser retirados em qualquer altura, porque eles fazem questão de lhes mostrar quem é que manda. Tudo se passa com a bênção dos pais e restante família, aproveitando também eles alg…